sábado, 22 de novembro de 2014

Nova equipe econômica de Dilma indica arrocho fiscal no segundo mandato

Ao optar por Joaquim Levy na Fazenda, definir Nelson Barbosa no Planejamento e manter Alexandre Tombini no BC, a presidente sinaliza que pretende arrumar as contas públicas para resgatar a confiança e tentar tirar a economia do atoleiro

A presidente Dilma Rousseff cedeu aos apelos do mercado e admitiu ontem que precisa mudar urgentemente a política econômica para evitar um segundo mandato desastroso. Depois de muito relutar, escolheu Joaquim Levy, hoje diretor da Bradesco Asset, para suceder Guido Mantega no Ministério da Fazenda. Levy tem um pensamento econômico totalmente oposto ao que prevaleceu nos últimos quatro anos e que levou o país à recessão e a conviver com inflação no teto da meta, de 6,5%.

Como era de esperar, Dilma decidiu criar um contraponto à linha ortodoxa de Levy, comparada à de Armínio Fraga, que seria o ministro da Fazenda caso Aécio Neves fosse o vencedor nas últimas eleições. Ela chamou Nelson Barbosa para o Ministério do Planejamento. O economista foi secretário executivo da Fazenda e criou laços importantes com a presidente ao participar da elaboração de programas como o Mina Casa, Minha Vida. O trio que comandará a economia a partir de 2015 será completado por Alexandre Tombini, mantido na presidência do Banco Central.

O anúncio oficial da nova equipe será feito na próxima quarta-feira. A expectativa, alimentada pelo Palácio do Planalto, era de que a divulgação ocorresse ontem. Mas Dilma não conseguiu fechar todos os nomes para a economia. Estão pendentes os ocupantes do Tesouro Nacional — não há a menor possibilidade de Arno Augustin permanecer no posto, devido aos truques contábeis que minaram a confiança nas contas públicas — e dos bancos públicos, esses ambicionados por políticos.

Independentemente da frustração com a falta do anúncio oficial, os investidores aprovaram as escolhas de Dilma. A expectativa é de que, mesmo a contragosto, a presidente sancione um ajuste fiscal mais forte em 2015 para evitar que a economia degringole de vez. No Planalto, a percepção é de que não há como fugir. Será preciso “puxar o freio” em 2015.