quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Moradores do Jardim ABC interditaram a DF-140

Moradores do Jardim ABC interditaram a DF-140, rodovia que liga a Cidade Ocidental a São Sebastião, para pedirem mais segurança e policiamento na região.


O protesto começou por volta das 7h desta quarta-feira (13/4), quando um grupo formado por aproximadamente 60 manifestantes ateou fogo em galhos e pneus, interrompendo o tráfego nos dois sentidos.

A rodovia é considerada de baixo movimento e, apesar da interdição, não há registro de congestionamento. Os motoristas que seguiriam por aquele caminho foram aconselhados a darem meia volta e pegar a BR-040.

Policiais militares de batalhões de Goiás e do Distrito Federal foram deslocados para monitorar a manifestação. Uma viatura do Corpo de Bombeiros também foi solicitada para impedir que o fogo se espalhasse.

A manifestação acabou por volta das 10h30, com cerca de 100 manifestantes. Três moradores foram detidas por desobediência e foram liberadas após prestar depoimento. Nenhuma autoridade apareceu para ouvir os moradores, que eram em sua maioria comerciantes. Eles relataram que a criminalidade está incontrolável na cidade. Para se ter uma ideia, o mesmo supermercado chegou a ser assaltado domingo e segunda-feira.


Entenda

O Jardim ABC é um caso típico de falta de ação pública. Localizada a 20km da Cidade Ocidental, no Entorno do Distrito Federal, a localidade é abandonada pela prefeitura municipal, pelo Governo do Estado de Goiás e pelo GDF. A população alega que o Posto de Saúde insuficiente e o policiamento são os maiores problemas da região - apenas dois agentes trabalham na área, que conta com 15 mil habitantes

Falta luz

Outro fator que influencia diretamente na criminalidade verificado no local, de acordo com os moradores, é a falta de iluminação pública. Na avenida central, a única asfaltada, há poucos postes. "Nas outras ruas, quando escurece, ninguém consegue enxergar um palmo na frente do nariz. É um breu danado", garante uma moradora que pediu para não ser identificada com medo de represálias. O medo tomou conta do lugar. "No Jardim ABC, quem manda é a bandidagem e falar a verdade pode custar a própria vida", relata.

Bem no meio de uma das ruas da cidade há um carro completamente destruído por causa de um incêndio. Segundo o relato de testemunhas, bandidos queimaram o veículo depois de assassinar o motorista, que também foi incendiado. O crime aconteceu no dia 12 deste mês. No sábado da semana passada, outro homicídio chocou a população do Jardim ABC.

Um serralheiro foi morto, a tiros, em frente a uma padaria. O motivo do crime ainda é desconhecido pela polícia. "Quase todos os dias aparece um corpo em alguma rua daqui. À noite, eu não saio porque, além de não ter opção de lazer na cidade, eu tenho medo com a insegurança que tomou conta do Jardim ABC", ressalta o comerciante Edimilson Rodrigues.

Ocorrências sem registro

 De acordo com o morador do Jardim ABC, Danilo Melo, a Polícia Militar justifica a falta de soldados no local por causa do baixo contingente. Quando ocorre um crime, a ocorrência só pode ser feita na Cidade Ocidental, que fica a 20 quilômetros da cidade, e, por causa da distância, muitas vítimas acabam não registrando os casos. As estatísticas relacionadas à violência, portanto, ficam camufladas pela falta de ocorrências.

Danilo diz, ainda, que a fama de lugar com pouca segurança contribui para que criminosos de outras cidades do Entorno migrem para o Jardim ABC. "A situação aqui poderia ser muito pior pelo número de policiais que temos. É perigoso, inclusive, para a própria polícia. O problema precisa ser resolvido logo, antes que fuja do controle das autoridades", alerta.

Violência no Jardim ABC

Violência. Essa é a principal resposta que os moradores dão quando são perguntados sobre o maior problema do Jardim ABC, distrito do município goiano de Cidade Ocidental que fica a 40 quilômetros de Brasília. Com quase 30 anos de existência, o local tem aproximadamente 15 mil habitantes e somente dois policiais para atender toda a região, incluindo a área rural. Enquanto andava pela cidade, a reportagem  foi abordada diversas vezes por moradores que se queixavam da situação do local.

"Gastaram uma fortuna com a Força Nacional para resolver o problema da falta de segurança no Entorno, mas eles só passam por aqui poucas vezes e durante o dia", denuncia o pedreiro Francisco Mendes. Para ele, o problema social tem um fundamento político. "A prefeita da Cidade Ocidental, que deveria cuidar do Jardim ABC, não se preocupa com o lugar porque a maioria das pessoas daqui votam no Distrito Federal e, claro, isso não interessa para ele", completa.

A situação da polícia no Jardim ABC é tão precária que a comunidade precisou doar um telefone celular para facilitar a comunicação com os soldados. "Os únicos dois policiais que fazem a segurança daqui precisam sair com a viatura e, nos casos de emergência, a população não tem como falar com a polícia", conta o comerciante Rubens Pinheiro.