terça-feira, 20 de agosto de 2019

Curso de Formação para Síndicos do Paulo Melo

Aulas contam com advogados e profissionais do setor imobiliário. Objetivo é mostrar como é possível economizar até 40% nos prédios


terça-feira, 13 de agosto de 2019

Mês da amamentação no JK Shopping


No último dia 1º foi celebrado o Dia Mundial do Aleitamento Materno, mas durante todo o “Agosto Dourado”, são realizadas ações de conscientização para ressaltar a importância do aleitamento materno no Brasil e no mundo. Para colaborar com o movimento, no próximo dia 16 de agosto, o JK Shopping realizará uma ação social em parceria com o Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital Regional de Ceilândia (HRC). 
Das 10h às 18h, quem passar pela praça localizada próxima às lojas Americanas terá acesso a folders da campanha a respeito do Aleitamento Materno e Doação de Leite Humano, além de esclarecimentos sobre o tema e ajuda prática. Os servidores também irão receber doações de frascos de vidro com tampa de plástico para armazenamento do leite humano, tudo que for arrecadado será doado no banco de leite do HRC.
Atualmente, o banco de leite do Hospital de Ceilândia conta com 75 doadoras ativas, um número considerado baixo para a necessidade do local. Somente em 2018, cerca de 800 recém-nascidos e bebês fizeram uso das doações armazenadas. Em 2019, até julho, mais de 500 crianças foram atendidas.
Aleitamento materno salva vidas
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a amamentação salva, anualmente, mais de 820 mil crianças de até dois anos de idade. Estudos apontam que as crianças amamentadas até essa idade têm menos chances de contrair doenças infecciosas, respiratórias, diarreias e alergias e por tanto, um menor risco de vida.
Neste ano, com o tema “Empoderar Mães e Pais, Favorecer a Amamentação, Hoje e Para o Futuro”, o Agosto Dourado procura intensificar esse olhar para a atividade materna que, por vezes, ainda não é compreendida com sua real importância.
No DF
Os Bancos de Leite Humano do DF contam, atualmente, com 8.569,1 litros. Segundo a Secretaria de Saúde é fundamental apoiar as mulheres para que elas consigam amamentar seus filhos, fazer a doação e consequentemente melhorar a coleta. De acordo com a pasta, um pote de 300 ml pode vir a alimentar até 10 bebês.
Na rede pública do DF são dez Bancos de Leite Humano (BLH) e dois Postos de Coleta da Secretaria de Saúde. Já na rede privada, são três Bancos de Leite Humano (BLH) e dois Postos de Coleta.
No site Amamenta Brasília é possível conseguir informações, orientações e situação dos bancos de leite do DF: http://amamentabrasilia.saude.df.gov.br/  
Serviço
Ação celebra mês do Aleitamento materno
Data: 16 de agosto de 2019
Hora: das 10h às 18h
Local: JK Shopping – Praça das Lojas Americanas

segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Restaurante faz aniversário e celebra com dose dupla de drinques à base de sakê

De 12 a 29 de agosto, as bebidas que têm como base sakê terão dose dupla de segunda a quinta-feira



O Restaurante Japonês Haná (408 sul) está em clima de festa! Para comemorar seu aniversário de 17 anos, celebrado no próximo dia 28 de agosto, a casa preparou uma novidade especial para os apaixonados pela culinária japonesa.

No período de 12 a 29 de agosto, de segunda a quinta-feira, os drinques do cardápio do Haná, que têm como base a bebida tradicional japonesa sakê, serão servidos em dose dupla. Entre as opções é possível encontrar as Caipisakê, nos sabores morango ou kiwi (R$ 35);  Sakê Japonês (R$32);  Haná Mule (R$22);  Japarinha, nos sabores morango ou kiwi (R$20), além de Sakê Nacional (R$ 17). A promoção é válida durante todo o horário de funcionamento da casa.

Os drinques são uma combinação perfeita para os clientes aproveitarem o Haná Premium (buffet + rodízio por R$ 89,50 por pessoa), que dá direito ao buffet, com mais de 40 variedades de sushis, 16 de pratos quentes e as delícias que chegam direto na mesa. Basta o cliente selecionar na ficha as escolhas desejadas: são dez opções de entradas, duas de hots, 14 de sashimis e cortes, sushis especiais do dia, cinco de temakis, cinco grelhados e 12 robatas. Para quem preferir a casa também trabalha com pratos à lá carte.

E para deixar a comemoração ainda melhor, o restaurante possui um ambiente bastante charmoso e aconchegante, localizado no mezanino da unidade, composto por tatames e almofadas que proporcionam um ambiente gostoso e intimista para os que querem aproveitar o espaço à dois.

Serviço:
Aniversário do Haná Restaurante Japonês
Data: de 12 a 29 de agosto, de segunda a quinta-feira, os drinques à base de sakê serão servidos em dose dupla.
Hora: Durante todo o horário de funcionamento da casa
Endereço: SCLS 408 Bloco B Loja 35 – Asa Sul
Telefone: 61 3244-9999

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

A amamentação em mulheres que tiveram câncer de mama é possível?

No mês dedicado ao aleitamento materno, oncologista fala sobre os mitos e verdades que rondam a questão.

Freepick/Divulgação


O “Agosto Dourado” é o mês dedicado à intensificação das ações de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o alimento de deve ser exclusivo até os 6 meses e complementado com adição de alimentos variados até os 2 anos ou mais da criança.

Além dos benefícios para as crianças, a amamentação protege as mães quanto ao risco do câncer de mama. Estudos apontam que, a cada 12 meses de aleitamento, as chances de aparecimento de um tumor mamário diminuem em 4,3%. O motivo é que, durante o período da amamentação, o nível de estrogênio no organismo da mulher não aumenta. Além deste tipo de câncer, há relação também entre a amamentação e a prevenção de outros tipos da doença.

Mas a pergunta que muitos homens e mulheres fazem é: Será que poderei amamentar se tiver enfrentado um câncer de mama?

Segundo a oncologista Ludmila Thommen, especialista neste tipo de câncer, não existe resposta definitiva para a questão e é preciso analisar caso a caso.

“No caso das mulheres realizaram mastectomia para o tratamento do câncer e retiram toda a mama e os ductos mamários, a amamentação não é mais possível. Entretanto, se apenas uma das mamas tiver sido submetida ao tratamento, a mãe poderá ofertar a alimentação ao seu bebê normalmente através da mama saudável que não passou pelo processo de tratamento”, explica. E completa: “Já para aquelas pacientes que realizaram a cirurgia parcial (conservadora), também chamada de quadrantectcomia, dependerá de como foi o tratamento e a resposta do organismo. Isso porque este tipo de tratamento envolve a complementação com a radioterapia e a irra diação da mama afeta as células responsáveis pela produção de leite”, detalha Ludmila.

Ainda segundo a oncologista, outra dúvida que surge entre as mulheres que tiveram a doença poderão ficar grávidas?

Ludmila ressalta que, as mulheres que pensam em engravidar após o tratamento do câncer de mama deverão consultar o seu médico para receber orientações acerca do tratamento atual que ela esteja realizando.

“É importante o acompanhamento porque é ao lado do profissional que a mulher poderá esclarecer todos os seus questionamentos. Por exemplo, é proibido que a mulher fique grávida durante a quimioterapia e tamb& eacute;m durante a hormonioterapia (que no geral é realizada com uma medicação chamada tamoxifeno nesta faixa etária) pois estes tratamentos estão associados à má formação do bebê”, esclarece.

Estar em contato com um profissional é o primeiro passo para a segurança da mulher e do futuro bebê. Apenas a equipe médica que assiste a paciente pode orientá-la sobre o melhor momento para ficar grávida de acordo ao tratamento em curso e as perspectivas futuras.
Embora grande parcela da população já tenha ouvido falar sobre a doença, o câncer de mama ainda envolve muito tabu, assim como informações equivocadas. Confira alguns mito e verdades sobre a doença:

Câncer de mama só aparece em quem tem histórico familiar?
Mito. A maioria das mulheres acometidas pelo câncer de mama não tem familiares com a doença.  Estimativas apontam que, aproximadamente, 10% dos casos têm origem hereditária. Entretanto, o histórico familiar tem influência quando o parentesco é de primeiro grau, ou seja, se a mãe, a irmã ou a filha foram diagnosticadas. E ainda mais quando o tumor apareceu antes dos 40 anos.

Câncer de mama é uma doença só?
Mito. São vários os tipos e cada um tem nome e sobrenome. Há desde os tumores restritos à mama, até aqueles que escapam para outros tecidos. Existem os que crescem de maneira rápida e os que se desenvolvem lentamente, entre outras peculiaridades.

Amamentar protege contra o câncer de mama?
Verdade.  Há estudos que comprovam a questão. A amamentação reduz o número de ciclos menstruais e, consequentemente, da exposição a certos hormônios femininos que podem estar por trás do surgimento de tumores, caso do estrógeno.

O câncer de mama pode ser causado por um trauma (batida) nos seios
Mito. Somente a batida não é capaz de desencadear o tumor. Entretanto, os machucados e hematomas podem ajudar a mulher a despertar a atenção para essa região do corpo.

Câncer de mama pode ter cura?
Verdade. O diagnóstico precoce é a melhor forma de combate à doença, pois quanto menor a lesão identificada, maior a chance de cura. Cada tipo de tumor é um e cada paciente pode reagir de uma forma específica.

Sobre Ludmila Thommen
Com mais de 11 anos de trabalho na área de saúde, a oncologista Ludmila Thommenn sempre sonhou em ser médica. Fatores como cuidar do próximo e fazer diferença de forma positiva na vida das pessoas foram decisivos para a escolha da profissão. A preferência pela área da Oncologia ocorreu após a mãe da médica ser diagnosticada com um tumor no cérebro em 2005. Para Ludmila, vivenciar a fragilidade ao lado de alguém querido e participar do processo difícil ao qual o paciente é submetido durante o tratamento foram os maiores motivos para seguir na carreira que requer de seus profissionais amor e doação.

Conheça o site da Dra. Ludmila Thommen
http://draludmilathommen.com.br/

quarta-feira, 7 de agosto de 2019

Detran-DF promove palestras no Dia do Pedestre

Primeiro semestre de 2019 teve redução no número de mortes por atropelamentos. O órgão vai, neste mês, realizar ações em escolas públicas e particulares e intensificar as campanhas educativas em vias públicas e faixas

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Sindicato dos Professores de Novo Gama faz questão de cobrar regalias como se fossem direitos.


Sinpro-NG parece querer prejudicar a educação das crianças do município a todo custo.




Os alunos da rede municipal estão há mais de 70 dias com a sua agenda escolar cada vez mais prejudicada. A greve iniciada em maio pelo Sinpro-NG (Sindicato dos Professores de Novo Gama) até agora não teve uma saída, e não por falta de tentativas. Aparentemente, a associação reivindica a volta da Jornada Ampliada, mas o argumento não se sustenta.
A Jornada Ampliada garantia que os professores trabalhassem por apenas um turno, manhã ou tarde, sendo necessário que o município contratasse professores adicionais para ocupar o tempo restante. Devido à Lei de Responsabilidade Fiscal, se tornou inviável para o município contratar mais profissionais e manter o programa. Além do mais, mesmo com a Jornada Ampliada instituída, a nota do IDEB (Índice de Desenvolvimento de Educação Básica) de Novo Gama era a mais baixa entre os municípios do Goiás com até 200.000 habitantes. Ou seja, programa não cumpriu com o que prometia.
A mesma gestão que agora sofre os ataques do Sindicato, garantiu um reajuste salarial de 12,76% dos professores (que variam entre 4000 e 8000 reais), com uma carga horária de 26 horas de aulas e 14 horas de coordenação semanais, totalmente de acordo com as leis do magistério. Os direitos dos professores não foram sequer tocados.
A prefeitura tem elaborado diversas formas de retornar as crianças às salas de aula, mas após diversas tentativas frustradas de diálogo com o Sinpro-NG aparentemente o esforço pela educação do município é uma via de mão única. A situação é tão absurda que a prefeitura propôs manter 200 horas de aulas complementares pros alunos, como inglês e redação, e a proposta foi negada pelos professores. Sem contar a última tentativa de negociação em que todas as propostas foram negadas pelo Sindicato, até mesmo uma que foi elaborada por eles mesmos em conjunto com a Prefeitura.
Ninguém em sã consciência é contra os direitos dos professores. Os educadores são a classe mais nobre da sociedade e dignos da admiração de todos, sem exceção. Afinal, não há médico, advogado ou jornalista sem um professor. Dói chegar a essa conclusão, mas não há como não suspeitar de que essa mesma classe, que goza de tanto apreço, esteja usando dos seus méritos para manipular a população e até mesmo o governo para conseguir regalias.
Cá entre nós, não devem existir regalias entre os trabalhadores. Todos nos esforçamos e ganhamos por isso. Ninguém merece mais que o outro. E testemunhar professores pondo em risco a educação de centenas de crianças por fins tão egoístas é no mínimo triste.